terça-feira, 30 de abril de 2013

Como se deu a operação da Polícia Federal que derrubou a cúpula ambiental

Uma ação policial balançou na segunda-feira o governo estadual e a prefeitura da CapitalAdriana Irion*

Personagens que se repetiam em investigações sobre o mesmo tema e a frequência de denúncias sobre supostas irregularidades envolvendo a concessão de licenças fez soar na Polícia Federal o alerta de que para estancar crimes ambientais seria preciso mirar na corrupção de agentes públicos.
Foi assim que nasceu, em junho de 2012, a investigação que resultou na segunda-feira na prisão de 18 pessoas, entre elas, os secretários do Meio Ambiente do Estado e de Porto Alegre.
Deflagrada em oito cidades no Rio Grande do Sul e em Florianópolis, em Santa Catarina, a partir das 6h, a Operação Concutare repercutiu imediatamente em Israel, onde o governador Tarso Genro cumpre viagem com uma comitiva gaúcha. Ao receber uma ligação do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, avisando sobre a prisão do secretário Carlos Niedersberg, Tarso determinou a exoneração e sua substituição por Mari Perusso, que atuava na Casa Civil. O prefeito José Fortunati também demitiu o secretário Luiz Fernando Záchia.
Em um dos trechos da decisão judicial em que foram decretadas as prisões, está registrado que as informações "carreadas aos autos ilustram um ambiente de supremacia do poder econômico sem escrúpulos, na qual o interesse da sociedade, em especial o meio ambiente, encontra-se totalmente desguarnecido". São investigados crimes ambientais, contra a administração pública e de lavagem de dinheiro.
Posse mudou planos da PF
Niedersberg era investigado como presidente da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), órgão que comandava desde janeiro de 2011. A indicação dele para assumir a pasta do Meio Ambiente, no início do mês, causou contratempo na apuração da PF. Como passou a ter foro privilegiado como secretário estadual, a investigação teve de ser remetida para o Tribunal Regional Federal da 4ª Região. A operação da PF estava pronta para ser realizada quando Niedersberg tomou posse. Acabou adiada. Segundo a assessoria do TRF4, assim que a exoneração de Niedersberg for publicada no Diário Oficial do Estado, o caso voltará a tramitar na Justiça Federal de 1º grau, na 1ª Vara Federal Criminal.
Trechos de documento da Justiça Federal indicam que Niedersberg "estaria diretamente envolvido na concessão ilegal de licenças ambientais mediante o recebimento de vantagens indevidas." Quanto a Záchia, o despacho da prisão temporária destaca que foi percebida na investigação "estreita relação dele com despachantes ambientais (...), inclusive com encaminhamento de vantagens ao secretário por ter encampado interesses privados no seio da administração municipal".
Em relação a Berfran Rosado, que foi secretário estadual do Meio Ambiente no governo Yeda Crusius, há suspeitas de que ao prestar consultorias por meio do Instituto Biosenso Sustentabilidade Ambiental, do qual é sócio, agiria fazendo tráfico de influência por manter uma rede de relações em órgãos ambientais. Ao ser preso, Berfran tinha R$ 25 mil e US$ 25 mil dentro de uma pasta de trabalho.
Presos foram para o Presídio Central
Na decisão judicial sobre as prisões, consta: "(...) quanto aos mencionados despachantes ambientais, que prestam consultorias ou assessorias a empresas, ficou evidenciado que se posicionam, muitas vezes, como meros interlocutores entre servidores públicos e empresários, servindo, também, como entreposto para pagamento da propina destinada à concessão de licenças. Neste contexto, merece destaque a participação do Instituto Biosenso (...), que, na verdade, presta-se possivelmente à instrumentalização de delitos contra a administração pública".
A PF cumpriu 28 mandados de busca, no qual foram apreendidos documentos, 22 computadores, seis armas e cerca de R$ 500 mil, além de US$ 44 mil e 5,2 mil euros. Os suspeitos estão com prisão temporária decretada com prazo de cinco dias, que pode ser prorrogada por mais cinco. Os detalhes da ação foram divulgados pela PF em entrevista coletiva comandada pelo superintendente do órgão no RS, delegado Sandro Caron.
Até o fechamento desta edição, 17 dos 18 presos haviam sido transferidos da sede da PF para o Presídio Central, em Porto Alegre. Eles devem retornar à PF conforme a necessidade de prestarem novos esclarecimentos sobre as suspeitas.
A investigação, que deve resultar em indiciamentos de cerca de 50 pessoas por corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica, por crime ambiental e lavagem de dinheiro, foi feita pela Delegacia de Crimes contra o Meio Ambiente e Patrimônio Histórico e pela Unidade de Desvio de Recursos Públicos da PF.
— A investigação revelou um grau muito nocivo de promiscuidade entre a atuação de servidores públicos, despachantes, consultores e empresários. Observamos que algumas licenças só seriam emitidas se houvesse pagamento de quantias em dinheiro — explicou o delegado Thiago Machado Delabary, da Unidade de Desvios de Recursos Públicos da PF.
*Colaboraram Cleidi Pereira, Francisco Amorim e Juliana Bublitz
O nome da operação
– A palavra concutare tem origem no latim e significa concussão — crime cometido por servidor contra a administração pública.
– A concussão é consumada com a exigência, por servidor, de vantagem indevida.
– Não é necessário que tenha ocorrido pagamento de propina ou qualquer outro benefício. Basta que o servidor tenha exigido vantagem, o que é crime.
– Ou seja, consuma-se o crime ainda que nenhum ato irregular tenha sido praticado. A pena é de dois a oito anos de reclusão.
– Para o professor de linguagem jurídica Adalberto Kaspary, alguém derrapou no latim na hora de batizar a operação, pois a palavra "concutare" não existe no idioma.
– Segundo Kaspary , o certo é "concutere", palavra que originou o termo concussão e que significa extorquir dinheiro de alguém mediante ameaça.
Saiba Mais:
> PF prende secretários de Meio Ambiente do RS e de Porto Alegre
> Tarso Genro afasta o secretário de Meio Ambiente> Engenheiro ambiental é preso em Florianópolis pela Polícia Federal> Fortunati afasta o secretário do Meio Ambiente> Em Israel, Tarso foi avisado de prisão de secretário
Como funcionaria o esquema revelado pela Operação Concutare:

ZERO HORA
 

domingo, 28 de abril de 2013

Fortuniati diz ‘não’ a Campos

26/4/2013 8:26
Por Leandro Mazzini - de Brasília


Eduardo Campos (PSB)
Eduardo Campos (PSB)
Após o convite para ser vice de Eduardo Campos (PSB), feito pelo próprio pré-candidato à Presidência, o prefeito de Porto Alegre (RS), José Fortunati (PDT) disse um discreto não para o socialista. Em conversa com a coluna, Fortunati revelou que prefere terminar o mandato de prefeito e evitou falar do futuro. Foi o segundo revés que Campos teve em poucos meses, nas articulações para se lançar. O aliado Marcio de Lacerda (PSB), prefeito de Belo Horizonte, recusa se candidatar ao governo de Minas.
______________________________
Com Marcos Seabra e Adelina Vasconcelos 
Leia agora, diariamente, na Edição Digital do Correio do Brasil, esta e outras notícias do colunista Leandro Mazzini, na Coluna Esplanada.

sábado, 27 de abril de 2013

Juventude Socialista perde militante em acidente de trânsito

Vítima de acidente rodoviário entre São Gabriel e Rosário do Sul, no Rio Grande do Sul, na última segunda-feira (22), Rafaela Mitidieri Afonso, 23 anos, foi sepultada terça (23) em sua cidade natal, Alegrete. A jovem militante disputou a última eleição municipal como candidata a vereadora, permanencendo como suplente do PDT. Ela retornava de Porto Alegre, onde havia participado de reunião da JS. Tanto a direção da Juventude Socialista, da qual ela fazia parte, quanto a direção estadual do PDT lamentam a trágica e precoce morte de Rafaela.
Presidente estadual da JS, João Cella participou ao lado dos familiares e partidários, em Alegrete, da cerimônina fúnebre. Em nome da organização partidária, Cella faz uma manifestação de despedida a militante e amiga.
“A Rafaela Mitidieri Afonso começou sua trajetória política na juventude no final de 2008, quando a conheci. De lá para cá, uma amizade e uma paixão muito forte cresceu e se enraizou pela Juventude Socialista. Em 2009, ela participou do XIV Congresso Estadual, fazendo parte do diretório estadual e reafirmando sua motivação e espírito indignado para mudar a realidade. Sempre disposta, aumentou seu envolvimento com as atividades da juventude, inclusive apoiando candidatos a deputados estaduais da JS na eleição de 2010. Em 2011 e 2012 foi incansável na reconstrução da juventude em Alegrete. Cada vez mais envolvida com a militância, como dirigente estadual foi candidata a vereadora pela JSPDT em 2012, alcançando a terceira suplência de vereadora e tendo sido a mulher mais votada do município pelo PDT.
Rafaela nasceu no dia 7 de setembro de 1991, isso mesmo, no dia da Independência do Brasil, e justo neste dia nascia uma mulher indignada, de postura firme e crítica perante os problemas da sociedade. O seu jeito forte e marcante de falar está gravado em todos nós, mas sempre com um cativante sorriso no rosto. Ela fazia política com alegria e firmeza. E é assim que vamos lembrá-la, cativando as pessoas pela profunda vontade de viver, com a paixão da Juventude, paixão por viver, paixão por ajudar, paixão pela família, paixão pelos amigos.
Deixamos aqui nosso sentimento, carinho e respeito profundo pela Rafaela".
Carinhosamente,
João Henrique Cella Presidente

quinta-feira, 25 de abril de 2013


Reviravolta no PMDB gaúcho
          Aliado histórico do PSDB, o PMDB gaúcho caminha para apoiar a presidente Dilma. Ex-ministro no governo Fernando Henrique, o deputado Eliseu Padilha diz que “não há justificativa para não apoiar o vice Michel Temer”. Em maio, os 135 prefeitos do Sul vão jantar com Temer no Jaburu. Pelo acordo, em negociação, PMDB e PT terão candidatos ao governo e ambos pedirão votos para Dilma.
Troco no PSD prejudica Marina
Os governistas estão votando no Senado um projeto que dificulta a criação de novos partidos, como o Rede de Marina Silva. Mas uma emenda apresentada pelo líder do DEM, Ronaldo Caiado (GO), e apoiada na Câmara pelo PSDB, alvejou ainda mais a candidatura de Marina ao Planalto. A emenda redistribuiu o tempo de TV, permitindo que o DEM recuperasse o que perdeu com a criação do PSD. O DEM voltará a ter cerca de três minutos. Isto só foi possível porque a emenda reduziu de 33 segundos para 11 segundos a parcela do tempo que é dividida igualmente para cada um dos 30 partidos do país. O PT, o PMDB, o PSB e o PSDB também aumentaram seus tempos.
O PT e o PMDB ficaram muito gulosos, nós estamos vivendo das sobras e dos restos

Paulo Foletto
Deputado federal (PSB-ES), ao defender a candidatura do governador Eduardo Campos (PSB) à presidência da República
Cargos na mesa
Para pressionar o ministro Cesar Borges (Transportes) por nomeações no Ministério, os deputados do PR organizam um jantar, no dia 7 de maio, para tentar convencê-lo a mexer, pelo menos, nas direções do DNIT nos estados.

Fim da boquinha
O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), esteve ontem com o presidente do STJ, Félix Fischer. Foi comunicar que, a partir de maio, os ministros que ocupam apartamentos funcionais do Senado passarão a pagar aluguel de R$ 8,8 mil. Hoje, eles não pagam nada e, ainda, têm direito a internet, água, luz e segurança.
Na gaveta
A ministra Càrmen Lúcia (STF) está há dois meses segurando o último embargo feito pelo deputado Natan Donadon (PMDB-RR). Somente por isso ele está em liberdade. Ele foi condenado há 13 anos de prisão pelo crime de peculato.
'Quem fala demais, dá bom dia'...
Após levar um puxão de orelhas do presidente do PT, Rui Falcão, o vice-presidente da Câmara, André Vargas (PT-PR), mandou uma carta e telefonou pedindo “desculpas” ao líder do PT no Senado, Wellington Dias (PI), e ao senador Jorge Viana (PT-AC). Anteontem, falando do projeto que prejudica os novos partidos, Vargas afirmara: “Tem que expulsar o Jorge Viana e trocar o líder”.
Azeitando a máquina
A Aeronáutica, a Secretaria de Aviação Civil, a Infraero e a Anac usaram o jogo de ontem, entre Brasil e Chile, em Belo Horizonte, para testar um Plano Operacional modelo para a chegada e saída das seleções nos aeroportos durante a Copa.
Um lugar ao sol
Arrependido de ter ficado sem mandato depois de deixar o governo do Espírito Santo, Paulo Hartung (PMDB) está se preparando para concorrer ao Senado. Hoje, ele integraria a chapa do governador Renato Casagrande (PSB).
A ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) está atrás na corrida para o Senado (SC). O deputado Vignatti tem maioria na convenção do PT.

terça-feira, 23 de abril de 2013

Aldeia Kaigang resgata tradição com cozinha comunitária em Porto Alegre

A primeira cozinha comunitária construída em uma aldeia do Rio Grande do Sul foi inaugurada pelo prefeito José Fortunati, abrindo a Semana Municipal dos Povos Indígenas. A cozinha está localizada na Aldeia Kaigang Fág Nhin, na Parada 25 da Lomba do Pinheiro. Também participaram da cerimônia na sexta-feira passada, 19,o presidente da Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc), Kevin Krieger, o secretário municipal de Direitos Humanos, Luciano Marcântonio, e o cacique Samuel da Silva, além de lideranças comunitárias e indígenas.
Construída para resgatar a forma tradicional e coletiva de produzir alimentos, permitindo às famílias uma alimentação mais saudável, a cozinha é uma conquista das mulheres da etnia. “Toda a aldeia ganha na qualidade da alimentação, mas as grandes vencedoras são as mulheres, que lutaram muito por esse local”, afirmou o cacique.
Atualmente, a população indígena de Porto Alegre é de cerca de 500 pessoas. Na Aldeia Kaigang Fág Nhin vivem 34 índios. “Uma cidade só pode ser considerada justa e democrática se trata com os cidadãos respeitando suas diferenças”, salientou Fortunati.

A Semana Municipal dos Povos Indígenas, realizada anualmente em abril, conta com o apoio do Núcleo de Políticas Públicas para Povos Indígenas (NPPPI), da Secretaria Municipal de Direitos Humanos (SMDH). Durante as comemorações, os indígenas promovem suas festas tradicionais, bem como se envolvem em formações pedagógicas nas escolas e em outras manifestações públicas como seminários, palestras e apresentações artísticas.

Até o dia 26 de abril estão previstas atividades como formações pedagógicas em escolas públicas, festas tradicionais nas comunidades indígenas, visitas das escolas às aldeias, torneio indígena guarani de futebol e abertura da exposição "Kyringüé" no Museu de Porto Alegre no dia 24 de abril.

domingo, 21 de abril de 2013

Roberto Carlos ganha bolo de aniversário e chuva de fogos de artifício na Arena

Público de 50 mil pessoas prestigiou o espetáculo de cerca de duas horas

 
Roberto Carlos ganha bolo de aniversário e chuva de fogos de artifício na Arena Adriana Franciosi/Agência RBS
Foto: Adriana Franciosi / Agência RBS
Um dia após completar 72 anos, Roberto Carlos foi festejado com emoção em seu show na Arena do Grêmio, em Porto Alegre. Cantando para cerca de 50 mil pessoas, de acordo com a organização do evento, o Rei recebeu um parabéns coletivo com direito a bolo de aniversário e chuva de fogos de artifício.
FOTOS: confira imagens do show
No primeiro show realizado no novo estádio gremista, o trânsito teve momentos de lentidão antes do show. O local e o público, no entanto, foram parabenizados pelo Rei: — Está muito lindo isso aqui — disse.
O esquema de som mostrou-se bom na maior parte dos setores. Algumas reclamações, contudo, foram feitas por quem estava nas arquibancadas superiores.
O show começou com quase nada de atraso: as 21h10 as luzes da Arena se apagaram. A banda subiu ao palco sozinha tocando Como É Grande o Meu Amor por Você. Na sequência, acordes rasgados de guitarra preparam para a entrada do Rei que abre sua apresentação cantando Emoções, para delírio do público.
Em seguida, Roberto cantou o setlist programado e fez sua apresentação padrão. Após uma sequência de canções com temática de sexo, ele apresentou Furdúncio e Esse Cara Sou Eu, dois de seus mais recentes lançamentos.
Depois de um pot-pourri de músicas da Jovem Guarda, veio a surpresa. O bolo de aniversário foi levado ao palco e a banda tocou o Parabéns a Você, acompanhada das 50 mil vozes do público - que fez dos celulares pontos de luz - em um momento de grande emoção.
Na sequência, ele distribuiu pedaços aos que estavam à frente do palco e recebeu presentes. Como É Grande o Meu Amor por Você e Jesus Cristo foram as canções que encerraram o show. O espetáculo, no entanto, ainda reservava a chuva de fogos de artifício de cerca de cinco minutos e a tradicional distribuição de rosas.
Iluminado pelos fogos e depois de cerca de duas horas de espetáculo, o Rei deixou o palco ao som de muitos aplausos.

DONNA ZH

sexta-feira, 19 de abril de 2013


Encontro partidário hoje em São Leopoldo (RS)

Encontro em Passo Fundo
Encontro em Passo Fundo






]



Dando continuidade aos encontros regionais, o presidente estadual, Romildo Bolzan Júnior, reúne nesta quinta-feira (18), a coordenadoria do Vale do Sinos, em São Leopoldo. Os 38 encontros regionais programados para debater a possibilidade de candidatura própria ou coligação em 2014 se iniciaram em Gravataí e foram realizados em Erechim, Passo Fundo, Pelotas e Camaquã.
A coordenadoria do Vale do Sinos reúne 16 municípios. O encontro acontece na sede partidária a partir das 19h30.

Do sul do Brasil a candidato a papa: a trajetória de dom Odilo


Por BBC, BBC Brasil


Um papa brasileiro?



Descendente de imigrantes alemães radicados no Brasil, o arcebispo de São Paulo, dom Odilo Scherer, de 63 anos, trilhou um caminho virtuoso na hierarquia da Igreja Católica. Ele está entre os mais bem cotados para suceder o agora papa emérito Bento 16, que renunciou no mês passado.



Sétimo de 13 irmãos, Scherer nasceu em 1949 em Cerro Largo, no noroeste do Rio Grande do Sul, mas se mudou com a família com apenas dois anos para os arredores da cidade de Toledo, no oeste do Paraná.



'As terras do Rio Grande do Sul estavam ficando muito caras, e meu avô decidiu aceitar a oferta de um terreno e partiu rumo ao oeste do Paraná, que até então era uma região pouco explorada', afirmou Ana Maria Scherer, sobrinha de dom Odilo Scherer.



'Lá, dedicaram-se à agricultura. A família inteira trabalhava na lavoura, inclusive o tio (Scherer)', acrescentou.



Educados em um seminário administrado por padres locais, todos os meninos abdicaram da vida religiosa, exceto Scherer, cuja vocação pelas causas da Igreja sempre pareceu mais forte do que nos demais.



Em dezembro de 1976, aos 27 anos, foi ordenado padre em Toledo.



Na função, foi desde reitor e professor do Seminário Diocesano de São José, em Cascavel (PR), entre 1977 e 1978, a oficial da Congregação para os Bispos na Cúria Romana, entre 1994 e 2001, quando trabalhou diretamente com o papa João Paulo 2º (1920-2005).



Também fez mestrado e doutorado em Roma e no Brasil contribuiu para a formação de diversos jovens seminaristas.



Em 2002, assumiu o cargo de bispo auxiliar de São Paulo, nomeado pelo então arcebispo da cidade, o cardeal dom Cláudio Hummes. A ordenação como bispo ocorreu em fevereiro de 2002, e a posse, no início de março do mesmo ano.



Cinco anos depois, em abril de 2007, Scherer se tornou arcebispo de São Paulo, o sétimo a ocupar o cargo.



Em novembro daquele ano, foi nomeado cardeal, o posto máximo antes do pontificado.



A cerimônia aconteceu na Basílica de São Pedro, no Vaticano, e foi celebrada por Bento 16, a quem Odilo Scherer agora pode suceder.



BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

.

terça-feira, 16 de abril de 2013

Candidatura própria em 2014 domina PDT do Rio Grande do Sul

 - autor: Alex Meirelles
- autor: Alex Meirelles
Em apenas cinco encontros regionais a candidatura própria tomou conta do PDT. Na cidade onde Brizola construiu o seu primeiro projeto de reforma agrária, em Camaquã, no sábado (13), Vieira da Cunha, Afonso Motta e Kalil Sehbe anunciaram que estão dispostos a disputar o Palácio Piratini nas eleições do próximo ano. A força eleitoral da sigla, confirmada em 2012 através da eleição de 70 prefeitos, especialmente de Porto Alegre e Caxias do Sul, está levando a estratégia partidária para a disputa em faixa própria. Até outubro os dirigentes realizam 38 encontros regionais para confirmar a vontade partidária.
Pelotas (dia 12) e Camaquã (dia 13) confirmaram o que se iniciou em Gravataí (dia 4), Erechim (5) e Passo Fundo (6): o PDT quer disputar a eleição estadual de 2014 com candidato próprio. Os resultados da eleição municipal estão refletindo essa vontade, define o presidente estadual do PDT, Romildo Bolzan Júnior, que projetou os 38 encontros justamente para encontrar esse diagnóstico. “Estamos organizados em todo o Rio Grande do Sul, com a responsabilidade de administrar 24% do PIB gaúcho em prefeituras como Porto Alegre e Caxias do Sul, isso nos capacita para apresentar o nosso projeto de governo para a sociedade na eleição estadual do próximo ano”, disse o ex-prefeito de Osório na noite de sexta-feira (12), na Câmara de Vereadores de Pelotas. Lá, 18 municípios da coordenadoria da Zona Sul avaliaram seu desempenho eleitoral. A recuperação da sigla em Pelotas, agora com três vereadores, entre eles o ex-prefeito Anselmo Rodrigues, estimula os demais municípios para a composição de estratégias que garantam o avanço da representação. Essa regra, que resultou na eleição de José Fortunati em Porto Alegre e Alceu Barbosa em Caxias do Sul, estimula as projeções para 2014. “Mas estamos trabalhando num cenário até 2018”, avisa Bolzan. Todos os movimentos da legenda estão sendo avaliados buscando preservar a identidade partidária e, ao mesmo tempo, garantir a viabilidade eleitoral dentro das regras em curso, especialmente o horário de televisão, o espaço que viabiliza o diálogo do candidato e do partido com a população.

PRIORIDADE

A viabilidade da candidatura já está em marcha. A presença do presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, na última semana, em reunião com deputados e a executiva em Porto Alegre, garantiu as conversações com outros partidos no cenário nacional. Os movimentos do PDT na eleição presidencial terão a candidatura própria do PDT no Rio Grande do Sul como prioridade, assegurou o ex-ministro do Trabalho, certeza que fez o deputado Vieira da Cunha assumir a candidatura e em Camaquã, onde fez sua primeira manifestação ao partido, assegurou: “Coloco meu nome como pré-candidato agora mas garanto que se for a vontade do partido, estarei pronto na convenção partidária para disputar o governo do Estado”. Segundo Vieira, que é presidente do Diretório Metropolitano e articulou as composições internas na eleição de José Fortunati, “nenhum outro partido tem a identidade histórica do PDT com a educação, a reforma agrária, os trabalhadores”. A resistência dos gaúchos em repetir governos aumenta a confiança de que, para o PDT, a candidatura própria vai permitir que a proposta trabalhista, duas décadas depois do governo de Alceu Collares, venha a ser retomada no Palácio Piratini. Temas estruturantes do Estado, como educação, desenvolvimento e resgate da eficiência da administração pública entraram nos discursos partidários. Também indicado para a disputa, o secretário do Gabinete dos Prefeitos, Afonso Motta, disse que o reconhecimento público do PDT nas últimas eleições credencia a legenda para assumir a defesa do seu patrimônio político e dialogar com a sociedade através da candidatura própria. Defensor de um projeto que atualize as referências históricas de Getúlio, Jango e Brizola através de um discurso moderno, ele pondera que “o crescimento do nosso projeto político passa por esse posicionamento em 2014”. Secretário de Esporte e Lazer, Kalil Sehbe entende que o discurso deve sintetizar o anseio das comunidades, especialmente em temas como segurança pública, educação e infraestrutura.
Em Camaquã, no sábado (13), na sede partidária ao lado da prefeita de Arambaré, Joselane Becker, e de Tapes, Silvio Rafaeli, o vice-presidente do PDT, Pompeo de Mattos disse que a atual conjuntura partidária foi projetada em 2010, nas negociações que resultaram na candidatura do PDT na chapa de José Fogaça, onde ele disputou como candidato a vice-governador. “Ali nós viabilizamos a candidatura de Fortunati, que era vice-prefeito e assumiu a prefeitura”. Ele defende o protagonismo do PDT na disputa do próximo ano.
COERÊNCIA Também a bancada estadual acompanhou os debates em Pelotas e Camaquã. O líder da bancada, deputado Gerson Burmann, entende que a candidatura em 2014 é estratégica para viabilizar 2018, mas pede coerência para uma eventual coligação. “Nesse caso, temos que continuar alinhados com o PT”, referindo-se a presença do PDT no governo de coalizão de Tarso Genro, com três secretarias e a vice-presidência do Banrisul. A deputada Juliana Brizola também apoia a candidatura, mas mantém a linha crítica de cobrança de um projeto mais definido do partido e atuação vigorosa nas questões sociais. O deputado Gilmar Sossella destaca a linha de atuação da bancada na Assembleia Legislativa em questões como a garantia do modelo dos pedágios comunitários, a aprovação da EGR ou a construção dos acessos asfálticos municipais. “A bancada mantém a unidade nas votações dos projetos do governo”, lembrou.

Estratégia regional para as candidaturas proporcionais

As candidaturas proporcionais do PDT também fazem parte da estratégia para aumentar a representação legislativa. Segundo Romildo Bolzan Júnior, “a orientação é que as coordenadorias priorizem as candidaturas de ex-prefeitos, vice-prefeitos, vereadores e lideranças da comunidade, objetivando uma nominata com expressiva representação política e social”.
Também nas listas proporcionais vai se refletir a eleição municipal de 2012: com cinco vereadores do PDT entre os 10 mais votados de Porto Alegre, pelo menos dois, Márcio Bins Ely e Claudio Janta, estão participando das reuniões regionais como pré-candidatos a deputado estadual e federal. Os dois estão estimulando as candidaturas regionais. A estratégia em Porto Alegre para a eleição proporcional está motivando a formação da lista do PDT para 2014. Ao participar no sábado (13), do encerramento da convenção feminina do PDT, em Porto Alegre, Bolzan voltou a orientar para que as mulheres trabalhem candidaturas viáveis em 2014. Atualmente, o PDT tem sete deputados estaduais e três federais.

PDT gaúcho deve lançar candidato próprio ao Palácio Piratini

Tese da candidatura própria do PDT para a disputa do Palácio Piratini tem prevalecido nos encontros regionais do partido no Rio Grande do Sul comandados pelo presidente regional do PDT, Romildo Bolzan (foto)
Por Alexandre Leboutte - Está cada vez mais claro entre os pedetistas o cenário para a sucessão estadual do próximo ano: o PDT vai ter candidato ao Palácio Piratini. Na quinta reunião que vem debatendo o tema com os filiados em todo o Estado - serão 38 encontros até outubro -, ocorrida no sábado em Camaquã, a tese de candidatura própria foi majoritária, como nas anteriores, realizadas desde o início do mês em Gravataí, Erechim, Passo Fundo e Pelotas.
“Há uma forte tendência de candidatura própria”, reconhece o presidente estadual da sigla, Romildo Bolzan Júnior. “Ao final desse processo de 38 encontros vamos ter um encontro definitivo. As conclusões que estamos tirando balizarão todas as definições, como a política de alianças. É lógico que, havendo candidatura própria não teremos outra coisa a fazer senão entregar os cargos no governo Tarso Genro (PT)”, adianta Bolzan.
De acordo com o presidente estadual do PT, deputado Raul Pont, a intenção do governador e do partido é a de manter a atual coalizão em torno do projeto que deverá ter Tarso como candidato à reeleição. “Nas conversas que fizemos com os aliados, propusemos que permaneçam conosco. Mas todo o partido tem o direito de ter candidatura própria, afinal, são dois turnos”, observa Pont, contando com a união no segundo turno caso não seja possível realizá-la no primeiro.
Mas a prioridade é buscar a aliança já no primeiro turno, revela Pont, que esteve reunido com Bolzam recentemente. “Estamos propondo que permaneçam na coligação conosco, com a possibilidade de assumir a vaga do senado ou de vice, dependendo das discussões com os demais aliados. Mas pela proximidade política, pelos compromissos que temos em vários municípios e pela identidade no plano nacional, no qual o Bolzan já nos colocou que a tendência é de que estejam com a presidente Dilma Rousseff (PT) (na reeleição ao Palácio do Planalto), achamos que deveríamos estar juntos no plano estadual”, justifica Pont .
No encontro realizado em Camaquã, três pedetistas se apresentaram como pré-candidatos ao governo do Estado. O deputado federal Vieira da Cunha; o secretário estadual do Gabinete dos Prefeitos e Relações Federativas, Afonso Motta; e o secretário estadual de Esporte e Lazer, Kalil Sehbe.
“Coloco meu nome como pré-candidato agora, mas garanto que se for a vontade do partido, estarei pronto na convenção partidária para disputar o governo do Estado”, declarou Vieira. Motta defende a necessidade de um projeto que atualize as referências históricas de Getúlio Vargas, Jango e Leonel Brizola, através de um discurso moderno. “O crescimento do nosso projeto político passa por esse posicionamento em 2014”, alega. Já Sehbe entende que o discurso deve sintetizar o anseio das comunidades, especialmente em temas como segurança pública, educação e infraestrutura.
Bolzan percebe que a força eleitoral do partido ampliou-se nas eleições municipais do ano passado, inflando a vontade de candidatura própria ao Palácio Piratini. “Estamos organizados em todo o Rio Grande do Sul, com a responsabilidade de administrar 24% do PIB gaúcho em prefeituras como Porto Alegre e Caxias do Sul, isso nos capacita para apresentar o nosso projeto de governo para a sociedade na eleição estadual do próximo ano”, avalia o presidente estadual.
Bancada estadual cobra coerência
A bancada estadual do PDT também acompanhou os debates sobre os rumos do partido na disputa de 2014, em Pelotas, na sexta-feira, e em Camaquã, no sábado. O líder da bancada, deputado Gerson Burmann, entende que a candidatura ao Palácio Piratini é estratégica para viabilizar 2018, mas pede coerência para uma eventual coligação. “Nesse caso, temos que continuar alinhados com o PT”, referindo-se a presença do PDT no governo de coalizão de Tarso Genro, com três secretarias e a vice-presidência do Banrisul.
A deputada Juliana Brizola também apoia a candidatura, mas mantém a linha crítica de cobrança de um projeto mais definido do partido e atuação vigorosa nas questões sociais. O deputado Gilmar Sossella destaca a linha de atuação da bancada na Assembleia Legislativa em questões como a garantia do modelo dos pedágios comunitários, a aprovação da Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR) e a construção dos acessos asfálticos municipais. “A bancada mantém a unidade nas votações dos projetos do governo”, lembrou. Os encontros também estão servindo para discutir a estratégia para o lançamento de candidaturas proporcionais, com o intuito de aumentar a bancada estadual.
Segundo o presidente estadual da sigla, Romildo Bolzan Júnior, “a orientação é que as coordenadorias priorizem as candidaturas de ex-prefeitos, vice-prefeitos, vereadores e lideranças da comunidade, objetivando uma nominata com expressiva representação política e social”. Com cinco vereadores do PDT entre os dez mais votados de Porto Alegre, pelo menos dois - Márcio Bins Ely e Claudio Janta - estão participando das reuniões regionais como pré-candidatos a deputado estadual e federal.
Os dois estão estimulando as candidaturas regionais. A estratégia em Porto Alegre para a eleição proporcional está motivando a formação da lista do PDT para 2014.  Ao participar no sábado do encerramento da convenção feminina do PDT, em Porto Alegre, Bolzan voltou a orientar para que as mulheres trabalhem candidaturas viáveis em 2014. Atualmente, o PDT tem sete deputados estaduais e três federais.
Fonte: Jornal do Comércio (RS)

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Fortunati inaugura nova escola infantil em Porto Alegre

Integrando as comemorações da Semana de Educação Infantil, o prefeito José Fortunati inaugurou nesta quinta-feira, 11, a Escola de Educação Infantil Ana Maltz Knijinik. Com capacidade para 120 alunos, a escola, que já está atendendo crianças desde o início do ano letivo, tem como mantenedora a Associação Centro Sul. Também participaram da cerimônia a secretária-adjunta da Educação, Maria da Graça Paiva, a diretora Rosa Labandeira, vereadores e familiares da homenageada que dá nome à instituição. 

Com investimento de cerca de R$ 719 mil, a construção é demanda do Orçamento Participativo (OP) de 2011. “Essa escola infantil é resultado da luta e do trabalho desta comunidade, que trouxe a demanda, fiscalizou a obra e hoje tem a alegria de desfrutar desse local preparado para atender as crianças da região”, afirmou Fortunati.

Para Rejane Rodrigues, que garantiu uma vaga para a filha Rafaela, de 10 meses, a nova escola é a oportunidade de voltar a trabalhar. “Eu já trabalhei em casa de família e como caixa de loja, quando ela nasceu tive que ficar cuidando dela. Agora, sei que a Rafaela fica bem cuidada aqui e eu posso trabalhar”, disse.

A construção da instituição faz parte do compromisso assumido pela Smed no Contrato de Gestão de ampliar em mais 21 escolas a rede municipal de atendimento à Educação Infantil (conveniadas e próprias), proporcionando 3.424 novas vagas, assim como também propiciar mais 677 vagas no Ensino Fundamental. Nos últimos meses, seis novas instituições de educação infantil conveniadas à prefeitura foram entregues à comunidade escolar de Porto Alegre. Com isso, neste ano letivo, foram ofertadas 720 novas vagas para crianças de zero a cinco anos e 11 meses. Todas as obras possuem acessibilidade universal.

terça-feira, 9 de abril de 2013

PT é o principal ausente em festa do PSB com Campos no RS

FELIPE BÄCHTOLD
DE PORTO ALEGRE

Dando sequência a seu giro pelo país, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), possível candidato à Presidência em 2014, chegou na noite de segunda-feira (8) ao Rio Grande do Sul e tentou mostrar familiaridade com temas da região.
Em Porto Alegre, Campos foi a uma festa do PSB em homenagem ao deputado federal gaúcho Beto Albuquerque, evento que reuniu uma ampla variedade de lideranças do Estado. Caravanas do interior do Estado compareceram "apoiadores entoavam o coro "Eduardo presidente".

Após promoção pessoal, Campos anuncia fim de 'Diário Oficial'
'Diário Oficial' de Pernambuco faz promoção pessoal de Campos

O grande ausente foi o principal aliado do partido no Estado, o PT. Políticos como a deputada Manuela D'Ávila (PC do B) e a senadora Ana Amélia Lemos (PP), além de membros do PSDB e PMDB, participaram do encontro.
Campos tentou mostrar proximidade com o Estado ao citar problemas do Rio Grande do Sul, como a pobreza do sul gaúcho, e a falta de ferrovias.
Nesta terça (9), ele terá uma intensa agenda na cidade, que inclui palestras e um encontro com o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT). Campos tenta se tornar conhecido fora do Nordeste --esteve em São Paulo e no Rio nos últimos dias.
Em entrevista antes do evento, ele voltou a fazer críticas ao governo federal e disse que não adianta adotar apenas "medidas pontuais" para melhorar a economia do país. Ele citou como exemplo a desoneração da folha de pagamento das empresas e citou "preocupação" com o aumento da inflação.
"Precisa olhar ao longe, olhar o estratégico. Sem rumo estratégico, vamos perder as conquistas."
Afirmou ainda que o país não pode passar "pelo constrangimento de desconstruir" o que foi obtido nos últimos 20 anos --número que inclui as gestões do PSDB no Planalto.

Isto é Eduardo Campos

 Ver em tamanho maior »
Alan Marques - 14.jan.2013/Folhapress
Anterior Próxima
Eduardo Campos, governador de Pernambuco, em entrevista após reunião com a presidente Dilma Rousseff em Brasília em 2013
Sem citar nomes, o possível presidenciável criticou aqueles que passam a considerar "inimigo" um aliado político que demonstra publicamente divergência --também questionou grupos que querem "interditar o debate".
"É uma tentativa de aniquilar a democracia", disse, em discurso.
Ao ser questionado sobre o início do debate da reforma política no Congresso, o governador do PSB questionou a viabilidade de mudanças na lei a um ano das eleições.
"Na hora em que se antecipou dessa maneira o debate eleitoral, qualquer mudança agora pode sofrer uma acusação, aos olhos muito justa, de casuísmo."