sexta-feira, 21 de maio de 2010

"Tendência é apoiarmos Serra", diz deputado do PMDB gaúcho


ZERO HORA

Serra disse ter "afinidade histórica" com os gaúchos
Foto:Fernando Gomes

Candidato do PSDB à Presidência atraiu simpatia de deputados peemedebistas e ajudou a desatar coligação com outro aliado

Dois dias depois de o PMDB anunciar o presidente nacional do partido, Michel Temer, como vice de Dilma Rousseff, sua principal adversária à Presidência da República, o ex-governador de São Paulo, José Serra (PSDB), começou a alinhavar ontem o apoio do PMDB gaúcho a sua candidatura. No seu périplo pela capital gaúcha, Serra também apadrinhou o anúncio da coligação entre PSDB e PP para a disputa majoritária e para deputado federal nas eleições de outubro (veja matéria abaixo).

O candidato do PSDB desembarcou em Porto Alegre por volta do meio-dia e seguiu direto para a Assembleia, para um encontro com a bancada do PMDB, solicitado às pressas pelo próprio Serra no final da tarde de quarta-feira.

Na reunião-almoço de uma hora e 50 minutos, o candidato conversou com sete dos nove deputados estaduais do partido, além do deputado federal Osmar Terra. Embora ainda não tenha recebido apoio explícito, Serra saiu satisfeito da reunião.

– O propósito principal não foi angariar apoio, mas estreitar minhas ligações com o Estado. Foi uma reunião muito proveitosa – afirmou.

Tucano diz que há diferenças com PMDB, não antagonismo

Serra salientou ainda “afinidade grande” com o PMDB gaúcho, desde quando voltou do exílio, em 1978:

– É natural que numa campanha política se queira ficar próximo de quem se tem afinidade, de quem se gosta .

Segundo o deputado Luiz Fernando Záchia, embora não tenha avançado no apoio a Serra, a reunião de ontem praticamente definiu uma tendência.

– Há a questão nacional (a participação do PMDB na chapa de Dilma). Ninguém vai querer afrontar uma decisão que só será tomada na convenção nacional do partido. Mas a tendência, até por uma relação histórica, é apoiarmos Serra – disse Záchia.

Sobre o possível incômodo do PSDB gaúcho com sua aproximação com o PMDB do candidato José Fogaça, Serra disse que nunca ouviu queixas:

– Até há pouco tempo, o PMDB participava do governo (estadual). Não há antagonismo entre os dois partidos, há apenas diferenças. Antagonismo e diferenças não são a mesma coisa.

Candidato tucano sela parceria PP-PSDB

Depois de um longo namoro, com direito a desentendimentos e aproximações, PP e PSDB anunciaram ontem seu esperado casamento para as eleições de outubro. O Partido Progressista indicará o vice de Yeda Crusius para o Piratini e um dos candidatos ao Senado – a jornalista Ana Amélia Lemos.

Ao PSDB caberá a indicação do outro candidato ao Senado (um dos nomes lembrados ontem era o do ex-vice-governador Vicente Bogo). Os dois partidos também vão concorrer unidos a deputado federal. Só terão chapas separadas na disputa pela Assembleia Legislativa.

O anúncio da coligação, que será oficializada na próxima semana, foi apadrinhado pelo candidato do PSDB à Presidência, José Serra. Antes do anúncio, Serra, ao lado do presidente do PSDB, Claudio Diaz, reuniu-se por mais de meia hora com a direção, deputados e membros do PP, na sede do partido.

PP-PSDB
O PSDB INDICARÁ:
Caminhando para uma coligação no plano nacional, PP e PSDB anunciaram ontem que disputarão juntos as eleições de outubro no Estado. Mas a parceria não incluirá a campanha pela Assembleia. Veja como será:
- Candidato a governador (Yeda Crusius)
- Um dos candidatos ao Senado
- Parte dos candidatos nas eleições proporcionais à Câmara dos Deputados
O PP INDICARÁ:
- Candidato a vice
- Um dos candidatos ao Senado (Ana Amélia Lemos)
- Parte dos candidatos nas eleições proporcionais à Câmara dos Deputados
Não haverá coligação para a Assembleia Legislativa. Cada partido apresentará uma lista com candidatos próprios para concorrer às 55 cadeiras de deputado estadual.

sábado, 8 de maio de 2010

Chance de dobradinha Serra-Fogaça pode isolar Dilma no RS

GRACILIANO ROCHA
da Agência Folha, em Porto Alegre

No Rio Grande do Sul, berço político da presidenciável Dilma Rousseff, a petista vem sendo isolada pela possibilidade do voto "Zé-Zé" --como é chamada a dobradinha do tucano José Serra para a Presidência com o peemedebista José Fogaça para o governo do Estado.

No plano nacional, PT e PMDB negociam uma aliança que pode fazer de Michel Temer o vice de Dilma. No Rio Grande do Sul, o PMDB é muito próximo a José Serra.

O voto Zé-Zé está surgindo da combinação do desgaste da governadora Yeda Crusius (PSDB) com a cristalização de Fogaça nas pesquisas eleitorais como o nome mais viável para bater o petista Tarso Genro na sucessão estadual.

Segundo o Datafolha, havia empate técnico entre Tarso (31%) e Fogaça (30%) no final de março. Yeda tinha 9%. A pesquisa, encomendada pelo Grupo RBS, apontava que Serra tinha 45% das intenções de voto dos gaúchos contra 27% de Dilma.

Na terça e na quarta-feira, Serra cumpriu agenda no RS e emitiu vários sinais de que Fogaça pode se tornar o seu parceiro preferencial no Estado. Além de circular pelo interior na companhia de peemedebistas, Serra disse que subiria "com gosto" em dois palanques e afagou Fogaça.

Serra dedicou apenas 20 minutos para um encontro privado com Yeda. Fogaça teve o triplo desse tempo no Aeroporto Internacional Salgado Filho. O presidenciável também se reuniu com deputados do PMDB.

Fogaça evita falar sobre que presidenciável subirá em seu palanque, mas responde positivamente às sinalizações do tucano. "Sou do PMDB do Rio Grande do Sul e vou seguir o PMDB do Rio Grande do Sul, que eu não sei se irá ou não acompanhar a decisão nacional", declarou à Rádio Gaúcha.

Cicerone de Serra no Estado, o deputado Osmar Terra (PMDB) explicou a química do voto Zé-Zé: segundo ele, é difícil reproduzir a aliança nacional no RS porque lá PT e PMDB são rivais históricos. "As disputas entre PT e PMDB sempre são muito acirradas. O pessoal daqui precisaria ser muito zen e ter muita meditação transcendental para ficar ouvindo desaforo e ainda pedir voto para o 13 [número do PT]", disse o deputado.