terça-feira, 29 de novembro de 2016

Pampa gaúcho é o segundo bioma mais desmatado no Brasil

Percentual de desmatamento nos campos do sul é de 54%.
Mata Atlântica tem apenas 12% da área total preservada.


 Presente em território brasileiro apenas no Rio Grande do Sul, o pampa é o segundo bioma com maior índice de desmatamento no país. Fica atrás apenas da Mata Atlântica, que tem apenas 12% da área total preservada. Dados de 2009, anunciados nesta segunda-feira (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em razão da Rio+20, revelam um percentual de desmatamento de 54% na área do pampa.

 Uma das principais causas do risco ambiental sofrido pelo pampa é a invasão da monocultura do eucalipto e a instalação de barragens visando à ampliação das áreas de arroz irrigado. O pampa é o único bioma do país que fica apenas em um estado.

 Os campos do Sul são seguidos pelo Cerrado que, em 2010, fora desmatado em 49%. Na Caatinga, até 2009, eram 46%, cabendo o menor valor relativo ao Pantanal, com 15%.

 O número de focos de desmatamento detectados pelos satélites caiu quase 50% em 2011 em relação a 2010. Desde 2004 ocorre queda no desflorestamento da Amazônia. A área desflorestada anualmente caiu de mais de 25.000 Km² para menos de 10.000 Km² atualmente. Mesmo com a redução, a área desflorestada se aproxima hoje dos 20% da área florestal original da Amazônia.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

ZERO HORA NOTICIAS



EDSON PAIM NOTICIAS


http://edsonpaim.com.br/





SITE DA TV PORTAL DO PANTANAL, NO AR! (MEIO AMBIENTE NOTÍCIAS)

CLIQUE:

http://tvportaldopantanal.com.br/




Minha foto 


      
Clique no Link abaixo e acesse 

um ou mais dos 599 Blogs da 

Parceria: Fundação Portal do

Pantanal / Painel do Paim/FM 

América 100.9 Mhz

https://www.blogger.com/profile/048861602895692797

65


quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Oficina para discutir áreas prioritárias para conservação e restauração é realizada na Bacia do Camaquã, Rio Grande do Sul

Representantes do governo, empresas parceiras, universidades e produtores rurais participaram da Oficina “Conservação, restauração e aplicação de boas práticas nos municípios de Amaral Ferrador, Encruzilhada do Sul, Canguçu, Cristal e Camaquã”, realizada pelo WWF-Brasil e TANAC/TANAGRO, no dia 08 de novembro. O evento ocorreu em Cristal, RS, e teve como objetivo compartilhar e discutir com a comunidade e especialistas os eixos de ação do projeto “Manejo, conservação e restauração de florestas no bioma Mata Atlântica”, além de validar as áreas prioritárias para restauração e conservação da Mata Atlântica na região.
 
O projeto possui três eixos principais de atuação: o primeiro, voltado para Conservação e Restauração da Mata Atlântica; o segundo focado na Promoção de boas práticas e de conceito de Novas Gerações de Plantações Florestais (NGP); e, por último, o eixo que visa aprofundar na mudança de mercado e novos negócios florestais sustentáveis.
 
Conheça a TANAC S.A
 
Fundada em 1948, a TANAC S.A. é hoje a maior e uma das mais modernas unidades de produção de taninos e seus derivados no mundo. A empresa desenvolve extratos vegetais para a indústria do couro, coagulantes ambientalmente favoráveis para o tratamento de águas e efluentes industriais, adesivos para madeira, além de cavacos de madeira para a indústria de papel e celulose, e pellets para a geração de energia. A TANAC S.A. possui as certificações ISO 9001 e 14001 e exporta os seus produtos para mais de 70 países.
 
A TANAGRO S.A. é a unidade florestal da TANAC, sendo atualmente a maior produtora individual de Acácia-Negra (Acacia mearnsii) no mundo, com mais de 24.000 hectares de florestas plantadas. Em atividades de manejo florestal, cerca de 600 trabalhadores estão envolvidos, desenvolvendo suas funções em conformidade com os princípios e critérios do FSC® - Forest Stewardship Council® e ISO 9001.
 
Sobre o WWF-Brasil
 
O WWF-Brasil é uma organização não-governamental brasileira dedicada à conservação da natureza com os objetivos de harmonizar a atividade humana com a conservação da biodiversidade e promover o uso racional dos recursos naturais em benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações.
 
Criada em 1996, a organização desenvolve projetos em todo o país e integra a Rede WWF, a maior rede independente de conservação da natureza, com atuação em mais de 100 países e o apoio de cerca de 5 milhões de pessoas, incluindo associados e voluntários.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

No Dia do Turismo, Cisne Branco reabre para visitação em Porto Alegre


Barco turístico fica, primeiramente, disponível apenas para visitação.
Foram oito meses sem funcionar após temporal que virou a embarcação.

Do G1 RS
Embarcação ficou desativada por oito meses após temporal (Foto: Joyce Heurich/G1)Embarcação ficou desativada por oito meses após temporal (Foto: Joyce Heurich/G1)
Depois de virar com o vento forte no temporal que atingiu Porto Alegre no fim de janeiro, o barco Cisne Branco, um dos símbolos turísticos da capital gaúcha, foi reaberto nesta terça-feira (27), data que marca o Dia Mundial do Turismo. Pelo menos 150 pessoas estiveram no Cais do Porto pela manhã para prestigiar a reabertura.
Inicialmente, o barco receberá apenas visitação. Para que possa voltar a navegar, é necessária uma vistoria realizada pela Capitania dos Portos. O que deve ocorrer até a próxima semana, conforme expectativa da proprietária da embarcação, Adriane Hilbig.
Foram oito meses sem o Cisne Branco nas águas do Guaíba. Após o barco virar com o vento, os trabalhos para fazer com que ele flutuasse novamente duraram 58 dias. E foi aqui que ficou constatado que ele precisaria de uma reforma quase completa. Sobrou somente a estrutura.
Cisne Branco é reinaugurado em Porto Alegre (Foto: Joyce Heurich/G1)Embarcação está aberta para visitação (Foto: Joyce Heurich/G1)
Levado para um estaleiro de São Jerônimo, na Região Metropolitana, às margens do Rio Jacuí, o Cisne Branco foi reformado. Foram seis meses de trabalho na recuperação do casco, e apenas 15 dias para colocação de mobiliário interno, piso, forro, instalação de itens de segurança e pintura.
Durante a inauguração, o cheiro da tinta branca fresca ainda estava no ar. "Só a casca ficou, é um barco novo", explica a arquiteta Ágatha Arboitte, que, ao lado de Monique Fontes, assina o projeto da reforma e ocupa o posto de madrinha da embarcação.
O custo total foi de R$ 1,5 milhão, quantia doada por empresas. O primeiro teste na água ocorreu no começo de setembro.
Estrutura do Cisne Branco foi a única parte aproveitada (Foto: Joyce Heurich/G1)Estrutura do Cisne Branco foi a única parte
aproveitada (Foto: Joyce Heurich/G1)
Não ficou confirmado o que exatamente causou a destruição do barco, mas a hipótese levantada na época foi que o vento jogou o Cisne Branco várias vezes contra o cais, quebrando as janelas da embarcação. A água entrou, desestabilizando o barco, que acabou virando.
O Cisne Branco é utilizado para turismo fluvial, entretenimento e lazer flutuante. Também fica disponível para passeios e eventos empresariais e sociais.

terça-feira, 28 de junho de 2016

Pelo menos cinco estados já planejam privatizações Objetivo é conseguir, via apoio do BNDES, abater dívida com União


28 de junho de 2016

O Globo

Manchete : Pelo menos cinco estados já planejam privatizações
Objetivo é conseguir, via apoio do BNDES, abater dívida com União

Cedae e gaúchas Sulgás e CEEE, de energia, poderão ser concedidas

Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Pará e São Paulo já estudam privatizar estatais, com o apoio do BNDES, como parte da renegociação das dívidas estaduais com a União, informam MARTHA BECK E BÁRBARA NASCIMENTO. Além da Cedae, empresas como a capixaba Cesan, de saneamento, e as gaúchas Sulgás e CEEE, de energia, estão na mira. Minas Gerais também cogita vender ativos. (Pág. 15)

Aéreas terão nova regra
Com a abertura do setor aéreo a estrangeiras, governo estuda mudar ICMS para adequar mercado a práticas internacionais. (Pág. 16)
Dilma atuou em decreto, mas não em pedaladas
Perícia técnica do Senado feita para a comissão do impeachment concluiu que tanto as pedaladas quanto os decretos liberando créditos sem autorização do Congresso violaram a lei. No caso dos decretos, o laudo aponta atuação direta de Dilma, mas não nas pedaladas. (Pág. 3)
Rio agora enfrenta pressão da polícia
Policiais fazem paralisação em protesto contra crise na Segurança, que pode ter verba remanejada para metro









Postado por: Enrique de Mello Albuquerque

terça-feira, 10 de maio de 2016

Manifestantes pró-governo liberam rodovias federais no RS

Os manifestantes contrários ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff liberaram todas as estradas federais que eram alvo de bloqueio desde o início da manhã desta terça-feira, 10, no Rio Grande do Sul. Ao longo do dia, mais de 10 trechos tiveram o trânsito interrompido. Os atos fazem parte do Dia Nacional de Paralisações e Mobilização contra o Golpe, com eventos em diversos Estados. Os manifestantes levaram cartazes e gritaram palavras de ordem em defesa do governo federal. Em alguns pontos, houve queima de pneus.

Ao longo da manhã, as autoridades negociaram com as lideranças dos protestos para desalojar as rodovias. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF-RS), por volta do meio-dia todas as estradas federais no RS estavam liberadas. Às 14 horas, não havia nenhum novo foco de manifestação.

No início da tarde, no entanto, ainda havia pontos de mobilização em rodovias estaduais, como no km 224 da RSC-471, em Encruzilhada do Sul, e no km 380 da RSC-377, em Alegrete. De acordo com o Comando Rodoviário da Brigada Militar, neste segundo ponto estão reunidas cerca de 70 pessoas ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Há três assentamentos nas proximidades do local. Outras vias estaduais já foram liberadas.

Os protestos desta terça foram convocados pela Frente Brasil Popular e a Frente Povo sem Medo. O objetivo, de acordo com os organizadores, é chamar a atenção da sociedade sobre a possibilidade de afastamento da presidente Dilma e pressionar senadores a votarem contra a admissibilidade do processo na quarta-feira, 11.

Vários Estados

De acordo com a Central Única dos Trabalhadores (CUT), há manifestações registradas em vários Estados, como Bahia, Espírito Santo, Amazonas, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e Distrito Federal.

Durante a manhã, a Frente Brasil Popular, fez uma convocatória para que os manifestantes fossem às ruas. "Vai ter muita luta em defesa da democracia! O Brasil diz não contra o golpe!", diz uma mensagem postada no Facebook.

A CUT informou que os atos em todo o País são "em defesa da democracia, dos direitos trabalhistas sociais e humanos".

São Paulo

A Avenida 23 de Maio, importante via da capital paulista, foi bloqueada nos dois sentidos na altura do Terminal Bandeira, no Centro. Os manifestantes atearam fogo em madeira e pneus e liberaram a pista por volta das 8h30.

Houve também protesto na rodovia Hélio Smidt, que dá acesso ao Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, e na Marginal do Pinheiros. Os manifestantes também interditaram a Marginal do Tietê, perto da Ponte do Tatuapé, sentido Castelo Branco. Na rodovia Raposo Tavares, no sentido São Paulo, o protesto foi de um grupo é formado por estudantes que reivindicam melhorias na merenda.

Interior paulista

Reivindicações salariais misturadas a protestos contra o processo de impeachment paralisaram o transporte coletivo em 11 cidades da região de Sorocaba durante o período da manhã. Em Sorocaba, os ônibus circularam das 4 às 6 horas e foram recolhidos às garagens.

Milhares de pessoas não conseguiram chegar ao trabalho. Manifestações dos sindicatos dos motoristas e dos metalúrgicos, ligados à CUT, interromperam o trânsito nos principais corredores viários. Um dos protestos foi realizado em frente à prefeitura.

Em Tatuí e Itapetininga, o transporte urbano também foi paralisado. Nas três cidades, a previsão era de que o serviço fosse retomado entre 10 e 11 horas. O sindicatos alegam falta de atendimento às reivindicações salariais de motoristas e cobradores, mas também criticam a tentativa de afastamento da presidente Dilma.

A greve se estendeu ao transporte urbano e intermunicipal de Votorantim, São Roque, Alumínio, Mairinque, Araçoiaba da Serra, Salto de Pirapora, São Miguel Arcanjo e Itapeva.

Rio de Janeiro

Manifestantes contrários ao processo de impeachment bloquearam duas rodovias importantes do Rio, entre a madrugada e a manhã desta terça-feira. A Rodovia Rio-Santos foi fechada nos dois sentidos, por volta das 6h40, na altura do município de Itaguaí, na Região Metropolitana do Rio. Segundo a PRF, os manifestantes espalharam pela pista pneus que incendiaram, na altura do quilômetro 394. Alguns portavam bandeiras da CUT. Por volta das 8 horas, a pista foi totalmente liberada.

Durante a madrugada, por volta das 4h50, os manifestantes também interditaram parcialmente a pista sentido Rio de Janeiro da Rodovia Presidente Dutra, na altura do município de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Eles também atearam fogo em pneus, o que exigiu a atuação de bombeiros. A via foi totalmente liberada às 5h30. Outro grupo de manifestantes se concentrava, por volta das 9 horas, na entrada principal da Refinaria Duque de Caxias (Reduc).

Paraíba

Em João Pessoa, o bloqueio foi no quilômetro 35 da BR-230. O trânsito está totalmente interditado para quem segue paras as cidades de Campina Grande, no interior paraibano, e Natal, no Rio Grande do Norte. Os protestos também são liderados pela Frente Brasil Popular, com grupos espalhados em vários pontos da cidade.

Eles fecham ainda o acesso a trens e a empresas de ônibus coletivo. Em Campina Grande, a interdição é na rotatória da BR-230 que dá acesso à cidade.

Rio Grande do Norte

Em Natal, o serviço de ônibus foi paralisado na região metropolitana durante a manhã. De acordo com a prefeitura da capital potiguar, táxis e ônibus fretados foram autorizados a fazer lotação durante a paralisação. Manifestantes também queimaram pneus no acesso ao campus da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), vizinho ao viaduto na BR-101.

Pernambuco

O MST fez várias interdições no Estado, segundo a PRF. No interior, o trânsito está bloqueado nas dois sentidos das BRs 232, em Pesqueira, Agreste pernambucano, e na 101, em Goiana, na Zona da Mata. Já na Região Metropolitana do Recife, o protesto é no quilômetro 83 da BR-101, em Jaboatão dos Guararapes.

Paraná

De acordo com a PRF, manifestantes do MST interditaram a Praça de Pedágio de Witmarsum, no quilômetro 340 da BR-277, em Palmeira. No Centro de Curitiba, foram colocados diversos balões em forma de coração, com a frase "Fica querida", em defesa da presidente Dilma.

Bahia

Os manifestantes fecharam vários trechos de rodovias baianas. No quilômetro 523 da BR-324, em Feira de Santana, a via foi interditada no sentido Salvador. Na mesma rodovia, em Candeias, o protesto fechou uma pista no sentido Feira de Santana. Já em Itabuna, a interdição foi no quilômetro 508 da BR-101. Na capital baiana, movimentos sociais interditaram a Avenida Suburbana.

Mato Grosso do Sul

De acordo com a CUT, apesar da chuva que cai no Estado, a BR-267 foi interditada no início da manhã.

EM

Postado por: Ygor I. Mendes

sábado, 7 de maio de 2016

CAR atinge mais de 80% da área prevista




Nos últimos cinco dias, 16,2 milhões de hectares foram incluídos no sistema. Região Norte fecha 100% do Cadastro Ambiental Rural.
O Sistema de Cadastramento Ambiental (Sicar) já é o maior banco de dados de base territorial do mundo. Com 352 milhões de hectares cadastrados na quinta-feira (05/05), atinge 82% da área passível de cadastro no país. O banco de dados torna-se, assim, uma radiografia minuciosa das florestas, bacias hidrográficas, biodiversidade  e uso da terra no Brasil.  “Estamos revelando um novo Brasil”, afirmou a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira.

Ela anunciou, nesta sexta-feira (06/05), os novos números do CAR, salientando que o prazo foi estendido apenas para os pequenos produtores. Informou, também, que caso passe a emenda em tramitação no Congresso, prorrogando o período de inscrições para todos, irá recomendar o veto à presidenta Dilma Rousseff. Segundo ela, o que motivou a alteração foi a situação das pequenas propriedades, principalmente no Nordeste e o fato de eles aderirem prontamente.

A região Norte tem toda a sua área cadastrada, com 100% de registro. Em seguida vem o Sudeste, 80,88%. A região Sul, que vinha com os menores percentuais, chegou a 64,74%, superando o Nordeste, que tem 59,44%.

Veja o Boletim Informativo acessando este link: [LINK] http://www.florestal.gov.br/cadastro-ambiental-rural/numeros-do-cadastro-ambiental-rural [/LINK]

Esses dados mostram com mais precisão a realidade fundiária e ambiental brasileira e surpreendem por revelarem uma área conservada de floresta que pode ser do mesmo tamanho da que o Brasil destina a Unidades de Conservação. Quase 97 milhões de hectares até agora.

Se for considerado os dados oficiais do Censo Agropecuário de 2006, do IBGE, o CAR atingiu 97% da área cadastrável.

RETRATO INÉDITO

O Governo Federal já havia mapeado a situação em terras públicas, mas pela primeira vez tem um retrato da situação das áreas de preservação ambiental, reservas legais e áreas de uso restrito em terras privadas.  O diagnóstico georreferenciado, em princípio voltado para a área ambiental, permitirá também ao setor produtivo contar com dados para a gestão das atividades produtivas relacionadas a terra.

Com a ampliação do prazo para os pequenos produtores até 5 de maio de 2017, o sistema entra em manutenção após registrar, em março e abril, 57 milhões de hectares. Os dados do Sicar surpreendem pelo detalhamento, chegando a registrar o número de nascentes do país, bacias e microbacias, áreas remanescentes e até a estrutura fundiária por município. “Ninguém tem isso no mundo”, comemorou o diretor geral do Serviço Florestal Brasileiro, Raimundo Deusdará Filho.

Entre março e abril, a expectativa de vencimento do prazo, previsto inicialmente para 5 de maio de 2016, levou o sistema a registrar, em apenas cinco dias, mais de 16 milhões de hectares. O pico de acessos foi de 2 milhões de hectares inscritos no período de uma hora. O SFB incluiu, também, 27 milhões de hectares em áreas protegidas e 43 milhões de assentamentos da Reforma Agrária.

O que mais chamou a atenção dos técnicos que operam o sistema é que 54% dos cadastrados com passivo ambiental a restaurar aderiram ao Programa de Recuperação Ambiental (PRA). Para Deusdará, isso demonstra que os proprietário rurais “estão interessados em regularizar sua situação ambiental.”  Agora, o Sicar estará em manutenção nos próximos dias.

MMA

Postado por: Ygor I. Mendes