terça-feira, 29 de maio de 2012

Índios ocupam prédio de secretaria e bloqueiam rodovias no RS (Postado por Lucas Pinheiro)

Cerca de 100 índios ocupam nesta terça-feira (29) o prédio Fundação Nacional de Saúde (Funasa), na sala da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), na Avenida Borges de Medeiros, no Centro de Porto Alegre. De acordo com os manifestantes, a ação ocorre devido à "falta de compromisso" do governo estadual e federal com a melhoria da saúde indígena. Além da capital gaúcha, os índios ocuparam escritórios da Sesai no Paraná.

O grupo também bloqueou o tráfego de veículos em pelo menos cinco rodovias, sendo duas federais. O trânsito está interrompido no km 2 da BR-386, entre as cidades de Iraí (RS) e Chapecó (SC) , e na BR-285, na região de Mato Castelhano, no Norte do estado. O protesto também ocorre no km 46 da RS-324, em Ronda Alta, no km 30 da RS-480, em São Valentim, e no km 30 da ERS-343, em Cacique Doble.

Ao tentar contato por telefone com a Sesai, o G1 foi atendido pelo indígena Álvaro de Paula, responsável pela mobilização em Porto Alegre. "O movimento é forte e acontece no estado inteiro. Estamos ocupando a secretaria porque não cumpriram o acordo para melhorias da saúde do nosso povo indígena. Vamos ficar aqui até que o governo nos dê uma resposta", afirmou.

As manifestações, segundo Álvaro, também ocorrem nos municípios de Nonoai e Erval Grande. Em Brasília, os indígenas também ocuparam parte do prédio do Ministério da Saúde.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Com greve confirmada, estações de trem estão fechadas em Porto Alegre (Postado por Lucas Pinheiro)

A greve dos metroviários está confirmada em Porto Alegre e na Região Metropolitana. Na manhã desta segunda-feira (21), as estações da Trensurb estão com as portas fechadas com cartazes informando sobre a decisão do sindicato da categoria, o Sindimetrô. A paralisação vai durar 24 horas, de acordo com a decisão tomada em assembleia realizada na tarde de quinta-feira (17).

Na semana passada, uma liminar da Justiça do Trabalho determinou o funcionamento pleno do serviço das 5h30 às 8h30 e das 17h30 às 20h30 no dia da paralisação. Uma multa de R$ 70 mil por horário descumprido foi fixada para o caso de desobediência. A primeira viagem dos trens deveria partir às 5h, de acordo com a tabela de horários da empresa, mas não há previsão de abertura nesta segunda.

"Estamos totalmente parados, a adesão da categoria é unânime, os trens não circulam. Estamos nos reunindo e avaliando o movimento", disse o secretário-geral do Sindimetrô-RS, Clóvis Pinheiro em entrevista à Rádio Gaúcha. "

A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) e a Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan) prepararam uma operação especial com reforço nas linhas de ônibus para amenizar transtornos principalmente nas saídas da Região Metropolitana em direção à capital gaúcha. No entanto, os motoristas encontram congestionamentos principalmente na BR-116, com 16 km de lentidão. Já os ônibus estão lotados.

Os funcionários do Trensurb reivindicam um reajuste salarial de 21,51%. A categoria disse que apresentou a proposta há mais de 60 dias, mas não recebeu resposta. Já a empresa alega que o processo de negociação estava em andamento e que foi pega de surpresa pela paralisação.

Uma média de 180 mil pessoas utiliza o transporte diariamente, segundo a empresa.

Em outros estados
Funcionários metroviários de João Pessoa (PB), Maceió (AL), Natal (RN), Belo Horizonte (MG) e Recife (PE) estão em greve por tempo indeterminado. A categoria negocia com a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), ligada ao Ministério das Cidades. As composições da empresa envolvem trens urbanos em João Pessoa, Maceió e Natal e trens urbanos e metrôs em Belo Horizonte e Recife.

São Luís (MA) passa por uma greve de rodoviários e o Sindicato dos Metroviários de São Paulo decidiu em assembleia que a categoria cruza os braços em 23 de maio.

sábado, 19 de maio de 2012

Jovem de 18 anos do RS passa por transplante de córnea no olho errado (Postado por Lucas Pinheiro)

O que era para ser o começo de uma nova vida para a estudante de direito Jessica Vinhola, de 18 anos, virou um tormento. A jovem sofre desde pequena de uma doença que atinge as duas córneas. Há dois anos, submeteu-se a uma cirurgia a laser e passou a ter 80% da visão do olho direito. Para resolver o problema no olho esquerdo, o transplante era a única saída. Depois de um ano de espera na fila, a operação foi realizada na quinta-feira (17), no Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Quando acordou, veio a decepção: a cirurgia foi feita no olho errado.

"Eu fiquei com muita raiva, fiquei muito nervosa quando percebi. Quando falaram que estava certo, pensei: será que eu é que estou errando os lados?" Contatado pela reportagem, o Hospital de Clínicas se manifestou por meio de nota e admitiu que houve uma falha no procedimento. O HCPA salienta que realiza esse tipo de transplante desde 1988, com mais de 3 mil cirurgias desde então. "Apesar do processo de marcação ter sido inicialmente realizado no olho correto, o transplante ocorreu no olho não programado, provavelmente devido a um deslocamento do dispositivo de marcação", diz a nota.

Além de estudar direito, Jessica trabalha como auxiliar administrativa na Uniritter. O maior temor da jovem é perder toda a visão. Hoje a menina e a mãe voltaram ao hospital para se reunir com a equipe médica e receberam a garantia de que será feito um novo transplante. "Me disseram que a gente escolheria a data. Como assim? Se tem uma fila de transplante, uma fila de córneas, por que não fizeram antes nela? E os outros que estão na fila, vão ser passados pra trás?", desabafa a  dona de casa Simone Vinhola, mãe de Jessica.

O hospital abriu investigação para apurar as causas da falha e se comprometeu a buscar as soluções para que seja realizado o transplante no olho correto.

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Morre homem agredido por seis em Montenegro, RS, diz hospital (Postado por Lucas Pinheiro)

O homem de 30 anos agredido por seis pessoas neste final de semana em Montenegro, na Região Metropolitana de Porto Alegre, morreu às 22h40 desta quinta-feira (3) no Hospital de Pronto-Socorro de Canoas, na mesma região, informou a assessoria de imprensa da instituição. Ele havia sofrido traumatismo craniano e múltiplas fraturas e estava internado em estado grave.

A agressão ocorreu na manhã do último sábado (28), e foi flagrada por uma câmera de segurança do pátio da empresa de um irmão da vítima (veja acima, nas imagens cedidas pela polícia). Logo quando o carro estaciona, o grupo se aproxima e começa a agredir a vítima e um amigo que a acompanhava.

Responsável pela investigação, o delegado Marcelo Farias Pereira disse ao G1 que seis homens perseguiram e espancaram a vítima, usando uma barra de ferro. O irmão e o amigo também foram atingidos, mas com menor intensidade.

Segundo Farias Pereira, os presos têm idades entre 18 e 33 anos e foram autuados por homicídio na forma tentada. O grupo ficaria preso, pelo menos, durante os cerca de 10 dias de elaboração do inquérito.

O delegado diz os jovens haviam se desentendido na noite anterior em um bar. A polícia trabalha com as hipóteses de que a briga tenha sido causada por uma namorada de um dos envolvidos. A mãe da vítima, Arlede Iracema Calsing, de 56 anos, não acredita na possibilidade e afirma que o filho estava solteiro. "Nada justifica o jeito que bateram nele com aquela barra de ferro", lamentou.